91% dos credores vão participar da renegociação da dívida externa venezuelana

Foto archivo Zurimar Campos, AVN

Caracas, 13 Nov. AVN.- Um total de 414 credores -que representam 91% dos detentores de bônus- vão participar nesta segunda-feira da reunião com a comissão presidencial para a renegociação da dívida externa venezuelana, anunciou o presidente da República, Nicolás Maduro, durante o programa Os Domingos com Maduro Nº 96.

"A Venezuela começa uma estratégia séria, clara, aberta para buscar novos caminhos negociados, novas fórmulas porque a Venezuela tem direitos econômicos internacionais e vai cumprir. Há suficientes resoluções com carácter de obrigatoriedade por parte do sistema das Nações Unidas sobre o manejo da dívida soberana, sobre a necessidade de priorizar o desenvolvimento dos povos e os direitos humanos dos povos", destacou.

Representantes de bancos estadunidenses e europeus estarão presentes nas negociações.

Maduro denunciou que a oligarquia financeira mundial estabelece o risco-país como arma política para perseguir os povos: "Não tem explicaçao técnica, nem econômica nem financeira que um país que acaba de pagar US$2 bilhões em compromissos externos como a Venezuela, no mesmo dia se dispare o risco-país em um patamar impressionante, ascendente. A única explicação é política, criminosa, imperial".

A Venezuela pagou mais de US$72 bilhões em dívida externa nos últimos quatro anos. “Pretendem asfixiar a Venezuela, asfixiar a Venezuela e não vão conseguir”, afirmou. 

No dia 2 de novembro, o chefe de Estado anunciou a criação de uma comissão presidencial que terá a tarefa de consolidar o refinanciamento e a reestruturação da dívida externa, para liberar-se das agresões financeiras que no exterior são feitas contra o país e seguir garantindo a atenção social ao povo venezuelano, seu desenvolvimento e sua qualidade de vida.

A comissão presidencial está liderada pelo vice-presidente Executivo, Tareck El Aissami, e formada pelo vice-presidente de Economia Wilmar, Castro Soteldo, o ministro da Economia e Finanças, Simón Zerpa, o vice-presidente de Planejamento Ricardo Menéndez, o ministro do Petróleo Eulogio del Pino, o procurador-geral da República, Reinaldo Muñoz, e o presidente da Pdvsa, Nelson Martínez.

13/11/2017 - 08:43 am