Especialistas eleitorais da América Latina, Europa e EUA vão acompanhar eleições de governadores

 

Caracas, 13 Oct. AVN.- Mais de 50 especialistas eleitorais vão acompanhar as eleições dos 23 novos governadores da Venezuela previstas para o próximo domingo, 15.

A presidenta do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena, disse que o grupo está formado por integrantes do Conselho de Especialistas Eleitorais da América Latina (Ceela), acadêmicos, ativistas sociais, políticos, parlamentares e jornalistas, além de membros de movimentos sociais e de defesa dos direitos humanos, dos Estados Unidos e de países da América Latina e Europa.

O grupo vai acompanhar as atividades prévias às eleições, como a realização de auditorias, e elaborar um relatório com recomendações e sugerências para fortalecer o sistema de votação. Outro documento será elaborado depois da eleição e entregue ao CNE. 

Guillermo Reyes, ex-presidente do Conselho Nacional Eleitoral da República da Colômbia e membro do Ceela, explicou que desde 2003 acompanha vários processos eleitorais na Venezuela, e por isso pode afirmar que o sistema é sólido, 100 % automatizado e submetido a auditorias antes, durante e depois da votação, com a presença de técnicos do CNE e dos partidos políticos.

"Esperamos que as auditorias possam dar plena confiança e garantia ao sistema e as autoridades eleitorais, que nós temos plena confiança, transmitimos aos cidadãos venezuelanos que podem participar com a tranquilidade de que seu voto será efetivamente validado e contabilizado", disse.

Reyes afirmou que para fortalecer a democracia é necessário participar das eleições. "E acredito que o cidadão tem que ser consciente que seu voto é decisivo, que se não vota, a sorte será tomada por outros e não a que eles deveriam ter tomado com sua participação".

Segundo ele, a paz, o respeito e a tolerância devem marcar o evento eleitoral. "Temos que nos respeitar. Como em toda democracia, há diferentes opções políticas e temos que acreditar que não somente as garantias estão presentes neste processo, mas que no dia das eleições e do escrutínio, o resultado vai refletir o que a maioria quer, e a maioria vai depender do nível de participação cidadã".

Eva Solla Fernández, segunda vice-presidenta do Parlamento da Galícia, concordou com Reyes.

"Superado o processo eleitoral da Assembleia Nacional Constituinte, e em uma situação que finalmente se instaurou um clima de paz em torno à votação, esperamos que a participação seja positiva, que o povo possa exercer esse direito ao voto com tranquilidade, independentemente da opção política, e entemos que este processo vai acontecer neste marco de paz e tranquilidade, que esperamos não exista nenhum tipo de conflito", afirmou.

De acordo com o Poder Eleitoral, 18.094.065 eleitores estão convocados para participar das eleições, com base no registro correspondente ao dia 15 de julho deste ano. Deste total, 17.898.004 são venezuelanos residentes nos estados e 196.061 estrangeiros residentes no país e inscritos no Registro Eleitoral.

Para esta votação, não estão incluídos os eleitores do Distrito Capital, porque este estado possui um regime especial de governo, nem os eleitores que moram no exterior, porque não se trata de uma eleição nacional. 

 

 
Fotos: Zurimar Campos, AVN

13/10/2017 - 08:05 am