Oposição persiste em gerar violência para justificar golpe de Estado

Foto:Pedro Mattey, AVN

Caracas, 20 Abr. AVN.- A autodenominada Mesa da Unidade Democrática (MUD) anunciou a continuidade da agenda de agitação para provocar uma escalada de violência e justificar um golpe de Estado. A oposição convocou seus seguidores a "resistir" nos focos de vandalismo criados em alguns pontos do país. 

Em coletiva de imprensa da coalizão, Henrique Capriles, representante do partido de direita Primeiro Justiça (PJ), fez um "balanço" das concentrações e celebrou os focos de violência gerados em algumas concentrações em Caracas. Nestes pontos, os habituais grupos violentos -com seus rostos completamente tapados- destroçaram bens públicos, e inclusive invadiram a propriedade privada, para retirar dejetos sólidos e fechar ruas e avenidas, de onde atacavam com pedras e garrafas as forças de segurança que tentavam restaurar a ordem pública.

O também governador de Miranda qualificou estes atos como "resistência", e assegurou que um dos requisitos fundamentais para abandonar a agenda de violência nas ruas é a programação de eleições gerais fora do calendário, ao contrário do que estabelece a Constituição. 

Este discurso, que ao lado da convocação de rua atomizada que busca gerar diversos focos de violência e vandalismo em todo o país, está alinhado com a campanha midiática internacional realizada pela direita venezuelana em complacência com os interesses dos centros de poder mundial. O objetivo é promover uma intervenção estrangeira nos assuntos internos da Venezuela e dar um  golpe de Estado contra o governo constitucional do presidente Nicolás Maduro.

A oposição venezuelana gerou grande expectativa em seus seguidores para este dia, quando conseguiriam finalmente a interrupção  inconstitucional do governo democraticamente eleito. Já os porta-vozes internacionais da direita se pronunciaram sobre o que aconteceria nessa quarta-feira, quando supostamente se tratava de mais uma concentração.

Após o novo fracasso, parte da coalizão da direita venezuelana se pronunciou para ratificar sua intenção de tomar o poder político na Venezuela através de vias inconstitucionais, e em meio a um plano golpista sustentado em ações criminosas, que foi desarticulado e neutralizado pelos organismos de segurança e inteligência do Estado venezuelano. Apesar disso, a MUD continua com a tentativa de golpe.

20/04/2017 - 10:01 am