Ramos Allup e Capriles romperam consenso da oposição sobre Constituinte

Caracas, 17 Oct. AVN.- O presidente da República, Nicolás Maduro, denunciou nesta terça-feira que Henry Ramos Allup, deputado de Ação Democrática, e Henrique Capriles, governador de Miranda, impediram que a oposição participasse da Assembleia Nacional Constituinte (ANC).

O chefe de Estado venezuelano revelou que desde a convocação da Constituinte no dia 1º de maio, se reuniu umas 100 vezes com dirigentes da Mesa da Unidade Democrática (MUD). Nesses encontros participaram em representação do Executivo Elías Jaua, Delcy Rodríguez e Jorge Rodríguez.

"Fiz uma oferta: inscrevam-se na Constituinte e suspendemos as eleições (da ANC) e nos medimos nas urnas eleitorais", divulgou Maduro, que explicou que, se tivessem aceitado esse acordo, a votação teria sido realizada duas semanas depois. 

Esta proposta foi aceitada por Julio Borges (Primeiro Justiça) e Leopoldo López (Vontade Popular), mas horas depois estes dirigentes confessaram que Ramos Allup e Capriles romperam o consenso dentro da MUD e não participariam das eleições da ANC.

Depois o presidente Maduro propôs que 60 membros da oposição tivessem a oportunidade de fazer parte da ANC. O número foi elevado a 100, a petiçao da MUD, "mas depois se complicou porque não tem vontade" nem a capacidade de decisão porque seus porta-vozes seguem o roteiro que eles ditam em Washigton", afirmou o Presidente Maduro.

Maduro disse que entre abril e julho, quando a direita promoveu atos violentos e terroristas, a oferta de diálogo foi mantida.

Diálogo com oposição

O presidente venezuelano informou que está pronto para assinar um acordo com a oposição.

"Já há um caminho percorrido. Anuncio que estou pronto para assinar o acordo de diálogo que se fez na República Dominicana, 95% já está. Estou pronto para assiná-lo amanhã", disse.

Ele afirmou que está disposto a viajar ao país caribenho para assinar o acordo, que embora tem 95% de avanço, pode ter outros tópicos.

"Querem acrescentar a auditoria?, vamos acrescentá-la, estou pronto. Quem propôs a auditoria? eu. Somos nós que construímos o sistema de auditoria do sistema eleitoral prévia, durante e depois" de uma eleição, explicou, em referência ao pedido de auditoria feito pela oposição após os resultados das eleições do domingo, onde o chavismo se impôs com 17 dos 23 governos estaduais. 

Ramos Allup

Nesta terça-feira, Maduro convidou também o dirigente nacional do partido Ação Democrática, e um dos principais representantes da coligação opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), Henry Ramos Allup, a manter um encontro, como parte dos esforços pelo diálogo político no país.

A proposta inclui ainda o dirigente de Primeiro Justiça, Julio Borges —que dedicou seus esforços a solicitar uma intervenção estrangeira nos assuntos soberanos da Venezuela, e foi um dos principais promotores das ações de violência política entre abril e julho em diversas cidades do país. 

"Estou disposto a uma reunião pública com Ramos Allup, até com Julio Borges, porque eu acredito na palavra e no diálogo. Convido a dialogar, se querem podemos fazê-lo em cadeia nacional. Hoje toma a bandeira da vitória, porque estou vitorioso com 54% (de votos em nível nacional nas eleições regionais), mas com humildade", asseverou.

 

 

17/10/2017 - 04:20 pm