Triunfo eleitoral abre novo ciclo de vitórias progressistas contra provocação imperial

 

Caracas, 18 Oct. AVN.- Com o triunfo da Revolução Bolivariana nas eleições para governadores, que constituiu uma resposta do povo venezuelano às ações ingerencistas dos Estados Unidos (EUA), se abre um novo ciclo de vitórias progressistas no continente, disse nesta terça-feira o presidente da República, Nicolás Maduro.

Ao analisar os resultados do processo eleitoral, em que o chavismo conquistou 18 governos estaduais, ele disse que na região houve um equilíbrio de forças progressistas e neoliberais, pois este triunfo vai permitir "recuperar a correlação de forças favoráveis de governos progressistas no continente".

"Esta vitória permite iniciar um processo de acumulação de forças, de construção do novo, nos aspectos econômicos, culturais, políticos", afirmou no Salão Ayacucho do Palácio de Miraflores, em Caracas, onde ofereceu uma coletiva de imprensa aos meios de comunicações internacionais.

Ele ressaltou que nem as ameaças do império norte-americano, nem o cerco midiático internacional puderam frear a vontade do povo de eleger um melhor futuro para sua pátria, o que constitui uma mensagem direta para Donald Trump, presidente estadunidense, que vê a nação sul-americana com os esquemas da Guerra Fria, que são "obsoletos, humilhantes, fracassados".

"Eles não admitem que exista um povo e um governo que não se subordine, nem se escravize aos chamados de Washington. A Venezuela encabeça no século XXI a nova batalha pela independência", disse.

Conciência heroica de um povo

O chefe de Estado afirmou que os resultados das eleições de domingo —que registraram uma participação de 61,1%— representam internamente uma vitória moral e espiritual que evidencia o surgimento da "consciência heroica do povo dos libertadores", em meio às piores circunstâncias econômicas e sociais em que a Revolução Bolivariana realiza um processo eleitoral. 

Diante deste cenário, os candidatos do Grande Polo Patriótico renovaram as esperanças do povo na Revolução Bolivariana, visando realidades concretas de cada um dos 23 estados do país, situação que marca a diferença com a oposição, que apresentou o processo como um referendo. 

"Outra vez se equivocaram, porque as pessoas elegeram governantes regionais que resolvessem seus problemas locais: segurança, vialidade, abastecimento de alimentos, serviços públicos", enfatizou Maduro, acrescentando que os resultados ratificam o chavismo como maioria sociocultural.

Luta contra o bachaqueo

O presidente Maduro disse ainda que as ações econômicas do Estado vão centrar-se na luta contra as máfias do contrabando, açambarcamento e especulação nos preços de produtos, o estímulo da atividade socioprodutiva.

"Agora nos cabe construir um aparelho produtivo para a economia, impulsionar o setor socioprodutivo, abrir campo para a produção industrial, vencer os bachaqueros. Vamos lançar uma ofensiva contra as máfias de bachaqueros deste país, vamos com tudo", explicou.

 

Fotos: Presidência da República

18/10/2017 - 07:59 am