Presidente Maduro reitera chamado ao diálogo

Foto: Presidência da República

Caracas, 21 Abr. AVN.- O presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta quinta-feira que um dos principais desafios do país é avançar no diálogo para conquistar e cuidar da paz em benefício do desenvolvimento nacional em todos os âmbitos.

"O diálogo é o único caminho, através da palavra, para construir a paz, o respeito e desarmar o ódio", disse durante ato que declarou a Venezuela território 100% atendido pelo programa de atenção primária à saúde, Bairro Adentro.

"Temos que ganhar a paz, cuidar a paz, amar a paz, valorizar a paz. Só com a paz podemos construir o bom, construir o que é grande (...) A paz para nós é o mais importante", reiterou, acrescentando que ratificou um novo chamado ao diálogo com a oposição para avançar em uma agenda pacífica e democrática, à margem do plano de golpe de Estado que promovem com ações violentas nas ruas.

Maduro informou que um setor da oposição manifestou sua disposição a dialogar através de mensagens enviadas por presidentes, ex-presidentes e personalidades do mundo político.

"Tenho a mensagem que me enviaram com presidentes, ex-presidentes e personalidades. Todas chegaram, espero que tenham a valentia para dar o passo e logo nos sentarmos em uma mesa de diálogo para nos dizer verdades e buscar caminhos de paz pela paz da Venezuela", destacou.

Paz com justiça

O presidente venezuelano afirmou que para avançar na paz deve haver justiça e os violentos devem ser isolados.

Também informou que vai processar membros da direita como o governador Henrique Capriles, por levantar falsas acusações contra o governo nacional e instituições do Estado.

"Eu autorizei que se inicie um processo,  pela honra das pessoas que foram acusadas, e que este senhor, que acusou desta forma, se tem que ir para a prisão, que vá para a prisão, e pague sua difamação, sua injúria e todos os delitos que cometou", disse.

Capriles acusou o governo nacional e as forças de segurança do Estado, sem apresentar provas, dos atos violentos da direita que deixaram três mortos nesta semana.

"Eles enchem as pessoas de ódio, mandam matar e logo acusam (...) a gente honrada da nossa Força Armada", rechaçou.

A empresa de telefonia Movistar Venezuela também será investigada por supostos vínculos com as ações golpistas promovidas pela direita ao enviar milhares de mensagens aos usuários para participar do plano golpista.

"A empresa Movistar da Venezuela, assim denuncio e pedi uma investigação, porque se uniu à convocação golpista contra o país e não é sua função. A empresa Movistar deve saber disso. Pedi uma investigação para esclarecer os fatos", disse o presidente Maduro.

Ações para a paz

Diante dos constantes chamados à violência da direita, o presidente Maduro anunciou que nos próximos dias vai convocar uma reunião com todos os delegados do Comando Central Bolivariano da Revolução, para apresentar uma proposta com novas estratégias para somar novos triunfos à Revolução Bolivariana.

O objetivo principal é "abrir as comportas a uma nova etapa de 20 anos de triunfos revolucionários pela via popular constituinte, pela via do poder popular socialista", disse, destacando que sua proposta tem como base fundamental o documento titulado Análise Política da Situação Atual e Propostas de Ações para a Conjuntura.

Esse texto foi elaborado pelo Comandante Hugo Chávez e apresentado à Direção Nacional do Movimento Bolivariano Revolucionário 200 (MBR-200), durante a Assembleia Nacional Extraordinária do movimento realizada em 19 de abril de 1997, quando se optou pela via eleitoral para fazer a revolução.

"Este é um documento extraordinário, promovido pelo poder popular constituinte", disse, acrescentando que sobre essa base será fundamentada a nova estratégia constitucional.

"Nós somos homens de ideias, de valores, com um pensamento estratégico, com um amor muito grande por nossa pátria".

21/04/2017 - 08:36 am